Povoar e enquadrar. Um percurso pela geografia das formas de vida religiosa da Lisboa medieval (séculos XII-XIV)

  • Maria Filomena Andrade (a) Universidade Aberta 1250-100 Lisboa, Portugal Universidade Católica Portuguesa, Centro de Estudos de História Religiosa 1649-023 Lisboa, Portugal, fandrade@uab.pt
  • João Luís Fontes (b) Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Instituto de Estudos Medievais 1070-312 Lisboa, Portugal, joaofontes@fcsh.unl.pt
Palavras-chave: Ordens religiosas, Lisboa, elites, realeza

Resumo

A conquista cristã de Lisboa, em 1147, inaugura um tempo novo na cidade, que vê de imediato restaurada a vida diocesana e rapidamente ativada a vida paroquial. O esforço de assegurar o povoamento e enquadrar eclesiasticamente a população urbana segue a par com a paulatina implantação  na urbe de diversas  ordens religiosas, umas integrando anteriores experiências eremíticas, outras com um vincado pendor pastoral, aliando liturgia, pregação e caridade.
O contexto muito peculiar da cidade, com uma intensa vida económica, uma população em crescimento, uma corte régia que nela estancia com crescente regularidade e demora, atraindo cada vez mais gentes de desvairadas partes e a cobiça de nobres ou ricos mercadores, que contribuem para a sua ascensão como cidade cabeça do Reino, tornam-na também particularmente apetecível para as ordens religiosas que entre si disputam o espaço urbano, as suas populações e os seus recursos.
É este percurso de implantação e articulação dos conventos e mosteiros, desde a conquista cristã até ao século XIV, que pretendemos explicar e enquadrar na intensa vida da urbe lisboeta.

Texto inicialmente apresentado ao V Colóquio Internacional “A Nova Lisboa Medieval”: Caminhos do Ocidente e do Oriente (1147-1217), org. pelo Instituto de Estudos Medieval e coord. por Catarina Tente, João Luís Inglês Fontes, Luís Filipe Oliveira, Mário Farelo e Miguel Gomes Martins (Lisboa, 23- 25 de Outubro de 2017).

 

Referências bibliográficas

Fontes manuscritas

Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT)

Mosteiro de Santa Maria de Chelas

- maço 3, 411;

- maço 7, 127;

- maço 10, doc. 189;

- maço 11, doc. 202 e 218;

- maço 46, nº 906C;

- maço 77, doc. 1526, 1527 e 1528.

Mosteiro de S. Vicente de Fora, 1ª incorporação

- maço 2, nº

- maço 4, nº 6;

OFM, Província de Portugal, Santa Clara de Lisboa

- livro

 

Fontes impressas

AZEVEDO, Pedro de – “Documentos portugueses do mosteiro de Chelas”. Revista Lusitana 9 (1905), pp. 259-276.

BARROCA, Mário Jorge – Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), 3 vols. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – FCT, 2000.

CÁCEGAS, Frei Luís de; SOUSA, Frei Luís de – História de S. Domingos particular do reino e conquistas de Portugal. Vols. I-II. Porto: Lello & Irmão Editores, 1977.

A Conquista de Lisboa aos Mouros. Relato de um Cruzado. Ed. Aires A. Nascimento. Lisboa: Vega, 2001.

Documentos de D. Sancho I (1174-1211). Vol. I. Ed. Rui de Azevedo, Avelino de Jesus da Costa e Marcelino Rodrigues Pereira. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1979.

ESPERANÇA Frei Manuel da – História Seráfica, dos Frades Menores na Província de Portugal, 2 vols. Lisboa: Oficina Craesbeeckiana, 1656-1666.

Indiculum Fundationis Monasterii Beati Vicentii Vlisbone. In A Conquista de Lisboa aos Mouros. Relato de um Cruzado. Ed. Aires A. Nascimento. Lisboa: Vega, 2001, pp. 177- 201

História dos Mosteiros, Conventos e Casas religiosas de Lisboa, 2 vols. Lisboa: Imprensa Municipal de Lisboa, 1950-1972.

Inventário de Compras do Real Mosteiro de S. Vicente de Fora (Cartulário do século XIII). Ed. Maria Teresa Barbosa Acabado. Coimbra: s.n., 1969.

LOPES, Fernão – Crónica del Rei Dom João I da Boa Memória, parte I. Ed. Anselmo Braamcamp Freire. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1977.

MARTINS, Ana Maria – Documentos portugueses do Noroeste e da região de Lisboa. Da produção primitiva ao século XVI. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001.

NASCIMENTO, Aires Augusto; GOMES, Saúl António – S. Vicente de Lisboa e seus milagres medievais. Lisboa: Edições Didaskalia,1988.

Um obituário do Mosteiro de S. Vicente de Fora: a comemoração dos que passaram deste mundo. Ed. Maria José Azevedo Santos. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 2008.

PORTALEGRE, Paulo de – Novo Memorial do Estado Apostólico. Primeira Crónica dos Lóios. Ed. Cristina Sobral. Lisboa: Roma Editora, 2007.

SÁ NOGUEIRA, Bernardo de – Portugaliae Tabellionum Intrumenta. Documentação notarial portuguesa, tomo I. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa, 2005.

 

Estudos

ALBERTO, Edite Martins; SILVA, Rodrigo Banha da; TEIXEIRA, André (dir.) – O Hospital Real de Todos os Santos: Lisboa e a Saúde. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa – Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, 2021.

ALONSO, Carlos – “Agostinhos”. In AZEVEDO, Carlos A. Moreira (dir) - Dicionário de História Religiosa de Portugal, tomo I. Lisboa: CEHR da UCP – Círculo de Leitores, 2000, pp. 27-32.

ALONSO, Carlos – Os Agostinhos em Portugal. Madrid: Ediciones Religión y Cultura, 2003.

ANDRADE, Maria Filomena – O Mosteiro de Chelas. Uma comunidade feminina na Baixa Idade Média. Património e Gestão. Cascais: Patrimonia, 1996.

ANDRADE, Maria Filomena – In Oboedientia, sine proprio, et in castitate, sub clausura. A Ordem de Santa Clara em Portugal (sécs. XIII-XIV). Lisboa: Tese de doutoramento apresentada à FCSH da UNL, 2011.

BACKMUND, Norbert – “Les origines de l’ Ordre de Prémontré au Portugal”. Boletim Cultural da Câmara Municipal do Porto 22 (1959), pp. 416-441.

BRANCO, Maria  João –  “Reis, Bispos  e cabidos:  a diocese de Lisboa durante o primeiro século da sua restauração”. Lusitana Sacra, 2ª série, 10 (1988), pp. 55-94.

BRANCO, Maria João – “I. Introdução. A conquista de Lisboa na estratégia de um poder que se consolida”. In A Conquista de Lisboa aos Mouros. Relato de um Cruzado. Ed. Aires A. Nascimento. Lisboa: Vega, 2001, pp. 9-51.

BRANQUINHO, Isabel – “Estratégias de composição do património do Mosteiro de S. Vicente de Fora. Priorado de D. Paio Gonçalves (1172-1205)”. In A Nova Lisboa Medieval – Actas do I Encontro. Lisboa: Edições Colibri, 2005, pp. 75-88.

BRANQUINHO, Maria Isabel – “As Sorores de São Vicente de Fora: uma primeira abordagem”. In KRUS, Luís; OLIVEIRA, Luís Filipe; FONTES, João Luís (coord.) – Lisboa Medieval. Os rostos da cidade. Lisboa: Livros Horizonte, 2007, pp. 239-258.

CALADO, Margarida – O Convento de S. Francisco da Cidade. Colecção Biblioteca d’Artes. Lisboa: Faculdade de Belas Artes – Universidade de Lisboa, 2000.

COSTA, António Domingues de Sousa – “O célebre conselheiro e chanceler régio Doutor João das Regras, clérigo conjugado e prior da Colegiada de Santa Maria da Oliveira de Guimarães”. Itinerarium 18 (1972), pp. 232-259.

COSTA, António Domingues de Sousa – “D. João Afonso de Azambuja, cortesão, bispo, arcebispo, cardeal e fundador do convento das dominicanas do Salvador de Lisboa”. In Actas do III Encontro sobre História Dominicana. Porto: Arquivo Histórico Dominicano Português IV/2, 1989, pp. 1-150.

COSTA, Avelino de Jesus da – “Agostinho, Ordem de Santo”. In SERRÃO, Joel (dir.) – Dicionário de História de Portugal, s.e., tomo I. Porto: Figueirinhas, 1985, pp. 59-60.

FARELO, Mário – “O direito de padroado na Lisboa medieval”. Promontoria 4 (2006), pp. 267-289.

FERNANDES, Paulo Almeida – “O Mosteiro Baixo-Medieval de Chelas. Interrogações a respeito de uma observância mendicante”. In GOMES, Ana Cristina da Costa; MOURÃO, José Augusto: FRANCO, José Eduardo; SERRÃO, Vítor (coord.) – Monjas Dominicanas. Presença, Arte e Património em Lisboa. Lisboa: Aleteia, 2008, pp. 19- 35.

FERNANDES, Paulo Almeida – “A encomenda artística episcopal. Três casos para uma introdução ao tema”. In FONTES, João Luís Inglês (dir.) – Bispos e Arcebispos de Lisboa. Lisboa: Livros Horizonte, 2018, pp. 735-744.

FONTES, João Luís Inglês – “Reclusão, eremitismo e espaço urbano: o exemplo de Lisboa na Idade Média”. In KRUS, Luís; OLIVEIRA, Luís Filipe; FONTES, João Luís (coord.) – Lisboa Medieval. Os rostos da cidade. Lisboa: Livros Horizonte, 2007, pp. 259-277.

FONTES, João Luís Inglês – “Ordem dos Cónegos Regulares Premonstratenses”. In SOUSA, Bernardo Vasconcelos e (dir.) – Ordens religiosas em Portugal. Das origens a Trento- Guia Histórico. 3ª edição. Lisboa: Livros Horizonte, 2016, pp. 225-231.

FONTES, João Luís Inglês – “João Afonso Esteves de Azambuja (1402-1415)”. In FONTES, João Luís Inglês (dir.)  – Bispos e  Arcebispos de Lisboa. Lisboa:  Livros Horizonte, 2018, pp. 471-484.

FONTES, João Luís Inglês; ANDRADE, Maria Filomena; SANTOS, Maria Leonor Silva – “Frades, Monjas e Reclusas: os primórdios da presença mendicante em Santarém Medieval”. In COLESANTI, Gemma Teresa; GARÍ, Blanca; JORNET-BENITO, Núria (ed.) – Clarisas y dominicas. Modelos de implantación, filiación, promoción y devoción en la Península Ibérica, Cerdeña, Nápoles y Sicilia. Florença: Reti Medievali / Firenze University Press, 2017, pp. 383-405.

GOMES, Saul António – “A chancelaria do mosteiro de S. Vicente de Fora de Lisboa nos séculos XII e XIII: subsídios para o seu estudo». In Svmmvs Philologvs necnon verbovm imperator. Colectânea de estudos em homenagem ao Académico de Mérito Professor Dr. José Pedro Machado no sue 90º aniversário. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 2004, pp. 163-213.

GOMES, Saul António – “Castas donas: Cónegas Regrantes de Santo Agostinho em Portugal no período medieval”. Revista de História da Sociedade e da Cultura 10/1 (2010), pp. 37-71.

GRAF, Carlos Eduardo de Verdier – D. João Esteves de Azambuja: exemplo da interligação de poderes (séculos XIV e XV). Porto: Tese de Mestrado em História Medieval apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2011.

LAMELAS, Isidro – “Os Franciscanos em Lisboa”. In CUNHA, João Alves da (coord.) – O Seminário da Luz: os 50 anos da sua Igreja. Lisboa: Editorial franciscana, 2018, pp. 21-40.

LOURINHO, Manuel H. – “A Ermida de Nossa Senhora da Escada nas suas relações com o Convento e Igreja de S. Domingos”. Olisipo 35/134 (Jan.-Jun. 1972), pp. 32-45.

LOURINHO, Manuel H. – “História da Igreja e Convento de S. Domingos de Lisboa”. Olisipo 37-38 / 137-138 (1974-1975), pp. 48-59.

MARTINS, Armando Alberto – O Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra na Idade Média. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa, 2003.

MARTINS, Miguel Gomes – “A família Palhavã (1253-1357): elementos para o estudo das elites dirigentes da Lisboa medieval”. Revista Portuguesa de História 32 (1997- 1998), pp. 35-93.

MATA, Joel Silva Ferreira – A comunidade feminina da Ordem de Santiago: a comenda de Santos na Idade Média. Lisboa: Universidade Lusíada Editora, 2016.

MATTOSO, José – “O enquadramento social e económico das primeiras fundações franciscanas”. In Obras Completas. Vol. 8. Lisboa: Círculo de Leitores, 2002, pp. 243- 254.

MONTEIRO, João Gouveia – Nuno Álvares Pereira, Guerreiro, Senhor Feudal, Santo: os três rostos do Condestável. Lisboa: Manuscrito, 2017.

OLIVEIRA, Luís Filipe – “O mosteiro de Santos, as freiras de Santiago e o culto dos Mártires”. In BARATA, Maria do Rosário Themudo; KRUS, Luís (dir.) – Olhares sobre a História. Estudos oferecidos a Iria Gonçalves. Lisboa: Caleidoscópio, 2009, pp. 429- 436.

OLIVEIRA, Luís Filipe – “Ordens Militares”. In SOUSA, Bernardo Vasconcelos e (dir.) – Ordens religiosas em Portugal. Das origens a Trento- Guia Histórico. 3ª edição. Lisboa: Livros Horizonte, 2016, pp. 453-502.

PEREIRA, Armando de Sousa – “Guerra e santidade: o cavaleiro-mártir Henrique de Bona e a conquista cristã de Lisboa”. In A Nova Lisboa Medieval – Actas do I Encontro, pp. 51-73.

PEREIRA, Maria Teresa Lopes - Alcácer do Sal na Idade Média. Lisboa: Colibri, 2000.

PEREIRA, Paulo - “O Convento e Igreja de Nossa Senhora do Vencimento do Monte do Carmo”. In ARNAUD, José Morais; FERNANDES, Carla Varela (coord.) – Construindo a Memória.  As Colecções do Museu Arqueológico do Carmo.  Lisboa: Associação dos Arqueólogos Portugueses, pp. 20-39.

RIBEIRO, Mário de Sampayo – A Igreja e o Convento de Nossa Senhora da Graça, de Lisboa. Lisboa: Amigos de Lisboa, 1939.

ROSA, Maria de Lurdes – Pero Afonso Mealha. Os bens e a gestão da riqueza de um proprietário leigo do século XIV. Redondo: Patrimonia, 1995.

ROSÁRIO, Frei António do – “Letrados dominicanos em Portugal nos séculos XIII- XV”. Repertório de historia de las ciências eclesiásticas en España 7 (1979), pp. 509- 598.

SANTOS, Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva – “Os primórdios da presença dominicana em Portugal. 1220-1418”. In GOUVEIA, António Camões; NUNES, José; FONTES, Paulo F. de Oliveira – Os Dominicanos em Portugal (1216-2016). Lisboa: UCP-CEHR, 2018, pp. 9-26.

SILVA, Carlos Guardado da – O mosteiro de S. Vicente de Fora. A comunidade regrante e o património rural (séculos XII-XIIII). Lisboa: Colibri, 2002.

SILVA, Manuel Fialho – Mutação urbana na Lisboa medieval. Das taifas a D. Dinis. Lisboa: tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa, 2016.

SILVEIRA, Ana Cláudia – “Entre Lisboa e Setúbal: os Palhavã”. In KRUS, Luís; OLIVEIRA, Luís Filipe; FONTES, João Luís (coord.) – Lisboa Medieval. Os rostos da cidade. Lisboa: Livros Horizonte, 2007, pp. 197-213.

SOUSA, Bernardo Vasconcelos e (dir.) – Ordens religiosas em Portugal. Das origens a Trento- Guia Histórico. 3ª edição. Lisboa: Livros Horizonte, 2016.

VALE, Teresa Leonor Magalhães do – O Convento de São Domingos de Benfica, Dom João de Castro e o Instituto Militar Pupilos do Exército. Lisboa: Instituto Militar Pupilos do Exército, 1996.

VARGAS, José Manuel – “O património das Ordens Militares em Lisboa, Sintra e Torres Vedras, segundo uma inquirição do reinado de D. Afonso II”. In FERNANDES, Isabel Cristina F. (coord.) – Ordens Militares. Guerra, Religião, Poder e Cultura – Actas do III Encontro sobre Ordens Militares, vol II. Lisboa: Edições Colibri – Câmara Municipal de Palmela, 1999, pp. 105-129.

VELASCO BAYÓN, Balbino – História da Ordem do Carmo em Portugal. Camarate: Paulinas, 2001.

VENTURA, Leontina – D. Afonso III. Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2006.

VIANA, Mário – Espaço e povoamento numa vila portuguesa (Santarém 1147-1350). Lisboa: Caleidoscópio, 2007.

VILAR, Hermínia Vasconcelos – D. Afonso II. Um rei sem tempo. Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2005.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-07-01
Como Citar
Andrade, M. F., & Fontes, J. L. (2022). Povoar e enquadrar. Um percurso pela geografia das formas de vida religiosa da Lisboa medieval (séculos XII-XIV). Medievalista, (32), 257-280. https://doi.org/10.4000/medievalista.5755
Secção
Artigos