O Simbolismo das Cores no Livro de José de Arimateia

  • Pedro Chambel Membro do Instituto de Estudos Medievais, FCSH-UNL pedrochambel@live.com.pt
Palavras-chave: José de Arimateia; simbolismo; cores, Graal.

Resumo

O Livro de José de Arimateia, é um texto medieval, traduzido para português provavelmente no século XIII, e que constitui a primeira parte do ciclo da denominada Pós-Vulgata. Nele narra-se como o Graal, o cálice que conteria o sangue derramada por Jesus Cristo na cruz e recolhido por José de Arimateia, foi transportado de Jerusalém para a Grã- Bretanha, e as aventuras das personagens que ao longo da narrativa com ele se relacionam. No texto são citadas as cores branca, vermelha, verde, preta, azul e dourada que apresentam simbologias cuja interpretação revela-se de importância decisiva para a análise e compreensão de uma narrativa de marcado teor alegórico-simbólico. Pretendo, assim, contribuir para o estudo dos simbolismos das cores presentes nos textos medievais portugueses, como forma de análise dos mesmos, e suscitar a comparação dos significados propostos no estudo que efectuei com os presentes noutros textos da mesma época e com os que são transmitidos pelas cores presentes noutras formas de expressão da nossa Idade Média.

 

Referências bibliográficas


Fonte:

The Portuguese Book of Joseph of Arimathea, Carter, H., (ed.), Chapel Hill, The University of North Caroline Press, 1967.

Fontes Auxiliares:

A Demanda do Santo Graal, Nunes, I. F., (ed.), Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1995.

Livro de José de Arimateia: Estudo e Edição do Cód. A.N.T.T. 643, Castro, I., Dissertação de Doutoramento, Lisboa, Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, 1984.

Estudos:

CASTRO, Ivo, “Livro de José de Arimateia” in Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa, Lanciani, G., Tavani, G., (dir.), Editorial Caminho, 1993, pp. 445-450.

“Matéria da Bretanha” in Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa, Lanciani, G., Tavani, G., (dir.), Editorial Caminho, 1993, pp. 445-450.

«Sobre a data da introdução na Península Ibérica do ciclo arturiano da

Post-Vulgata», Boletim de Filologia, XXVIII, 1983, pp. 81-98.

CHAMBEL, Pedro, A Simbologia dos Animais n’“A Demanda do Santo Graal”, Cascais, Patrimonia, 2000.

Os Animais na Literatura Clerical Medieval Portuguesa dos Séculos XIII e XIV- Presença e Funções”, Lisboa, dissertação de doutoramento, Faculdade de Ciências Sociais e .Humanas da U. N. L., 2003.

CHEVALIER, Jean, GHEERBRANT Alain, Dicionário dos Símbolos, Lisboa, Editorial Teorema, s.d..

HEINZ-MOHR, Gerd, Dicionário dos Símbolos – Imagens e Sinais da Arte Cristã, São Paulo, Paulus, 1994.

MEDEIROS, Ana, Aspectos do Bestiário no “Livro de José de Arimateia”, Lisboa, Faculdade de Letras de Lisboa, dissertação de. Mestrado, 2003.

MIRANDA, José Carlos, Conto de Perom, o melhor cavaleiro do mundo. Texto e comentário de uma narrativa do “Livro de José de Arimateia”, versão portuguesa da “Estoire del Saint Graal”, Porto, Granito, 1998 (2ª ed.)

“A Demanda do Santo Graal” e o Ciclo Arturiano da Vulgata, Porto, Granito, 1998

Galaaz e a ideologia da linhagem, Porto, Granito, 1998

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2011-07-01
Como Citar
Chambel, P. (2011). O Simbolismo das Cores no Livro de José de Arimateia. Medievalista, 1(10). https://doi.org/10.4000/medievalista.232
Secção
Artigos