Similibus simile cognoscitur. O pensamento analógico medieval

  • Hilário Franco Júnior Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, hilario.franco-jr@wanadoo.fr
Palavras-chave: analogia; pensamento reticulado; saber; agir; sentir

Resumo

Embora insuficientemente considerado pela historiografia, o pensamento analógico foi o instrumento intelectual predominante em todas as categorias sócioculturais na Europa medieval. Ele é que determinou muitas das formas de relação entre os humanos e destes com a natureza. Levar em conta esta modalidade de raciocínio fundada em homologias, simetrias, contiguidades, correspondências e oposições permite compreender diversas facetas dos conhecimentos, comportamentos e sentimentos do homem medieval. Isto é exemplificado no presente artigo pela frequente utilização que a Idade Média fazia de analogias na matemática, cartografia, medicina, teologia, exegese bíblica, liturgia, etimologia e literatura, dentre outros campos da atividade humana.

 

Referências bibliográficas

As obras citadas somente uma vez no presente trabalho estão referenciadas de forma completa nas notas correspondentes. As demais, que nas notas aparecem abreviadamente, estão listadas a seguir.

Fontes primárias

BONCOMPAGNO DA SIGNA - Rhetorica novissima. Ed. Augusto Gaudentio. Bolonha: Libreria dei Fratelli Treves di Pietro Virano, 1892 (Bibliotheca Iuridica Medii Aevi, 2).

CICERO - De l’invention. Ed.-trad. Guy Achard. Paris : Les Belles Lettres, 1994. ISBN 2-251-01381-4

Epistola Trajectensis Ecclesiae ad Fridericum episcopum Coloniensem de Tanchelmo seductore. Ed. Sebastian Tengnaghel. Em Acta Sanctorum, junii I. Bruxelas: Culture et Civilisation, reed. 1969, p.845-847.

HILDEGARDA DE BINGEN - Causae et curae. Ed. Paul Kaiser. Leipzig: Teubner, 1903.

HILDEGARDA DE BINGEN - Liber divinorum operum. Ed. Albert Derolez e Peter Dronke. Turnhout: Brepols, 1996 (Corpus Christianorum Continuatio Medievalis 92). ISBN 2-503-03921-9

ISIDORO DE SEVILHA - Etimologías. Ed. Wallace Martin Lindsay, trad. José Oroz Reta e Manuel-Antonio Marcos Casquero. Madri: BAC, 1982. ISBN 84-220-1071-2.

JACOPO DE VARAZZE - Legenda áurea. Ed. Theodor Graesse, trad. Hilário Franco Júnior. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. ISBN 85-359-0367-4.

Obras médicas de Pedro Hispano. Ed-trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Coimbra: Universidade, 1973.

Patrologia Latina. Ed. Jacques-Paul Migne. Paris: Migne, 1844-1865, 221 volumes.

PEDRO DES VAUX-DE-CERNAY - Hystoria Albigensis. Ed. Pascal Guébin e Ernest Lyon. Paris: Honoré Champion, 1926.

 

Fontes secundárias

BOLOGNE, Jean-Claude - Da chama à fogueira. Magia e superstição na Idade Média [1993]. Trad. Fátima Gaspar e Carlos Gaspar. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998. ISBN 972-20-1524-9.

DALARUN, Jacques (dir.) - Le Moyen Âge en lumière. Paris: Fayard, 2002. ISBN 2-213-61397-4.

ECO, Umberto - “Metáfora”. Em Enciclopédia Einaudi. Trad. Maria Bragança. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1994, vol.31, p.200-246. ISBN 972-27-0660-8.

FOUCAULT, Michel - As palavras e as coisas. Uma arqueologia das Ciências Humanas [1966]. Trad. António Ramos Rosas. Lisboa: Edições 70, 2005. ISBN 972-44-0531-1.

FRANCO JÚNIOR, Hilário - Os três dedos de Adão. Ensaios de mitologia medieval. São Paulo: Edusp, 2010. ISBN 978-85-314-1140-3.

GILSON, Étienne - L’esprit de la philosophie médiévale. Paris: Vrin, 1969.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-07-01
Como Citar
Júnior, H. F. (2013). Similibus simile cognoscitur. O pensamento analógico medieval. Medievalista, 1(14). https://doi.org/10.4000/medievalista.344
Secção
Destaques