Uma outra representação da Rua Nova dos Mercadores, em Lisboa: a tábua do “martírio de S. Sebastião”, de Gregório Lopes

  • Luísa Trindade Universidade de Coimbra Faculdade de Letras, Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes / Centro de Estudos Sociais 3004-530 Coimbra, Portugal, luisa.trindade@fl.uc.pt
Palavras-chave: Rua Nova dos Mercadores, Lisboa, urbanismo quinhentista, D. Manuel I, Gregório Lopes

Resumo

A partir da constatação empírica da proximidade entre duas representações urbanas – a pintura da Rua Nova dos Mercadores, de Lisboa, pertencente à Kelmscott Manor Collection (c. 1570) e a arquitetura de fundo do Martírio de S. Sebastião, pintado por Gregório Lopes para a Charola do Convento de Cristo em Tomar (década de 1530) – e das conclusões que daí decorrem, revisitam-se algumas das mais emblemáticas representações iconográficas da cidade, as teses que suportam a sua identificação e a importância de que se revestem para o conhecimento dos espaços centrais da Lisboa quinhentista e, assim, da sua imagem, tão descrita quanto ainda deficientemente imaginada.

 

Referências bibliográficas

Fontes

BRANDÃO (de Buarcos), João – Grandeza e abastança de Lisboa em 1552. Ed. José da Felicidade Alves (manuscrito de 1552, 1ª ed. 1923). Lisboa, Livros Horizonte, 1990.

GÓIS, Damião de – Descrição da cidade de Lisboa. Ed. José da Felicidade Alves (1ª ed. 1554). Lisboa: Livros Horizonte, 1988.

HOLANDA, Francisco de – Da Fábrica que falece à cidade de Lisboa. Ed. José da Felicidade Alves. (manuscrito de 1571, 1ª ed. de 1879). Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

MÜNZER, Jerónimo – "Viaje por España y Portugal en los años 1494 y 1495 (Conclusión), versión del latín por Julio Puyol".Boletín de la Real Academia de la Historia. Madrid. Tomo 84 (1924), pp. 197-279.

"MEMÓRIA da doença e enterro del Rei D. Manuel". in SOUSA, António Caetano de – Historia genealogica da Casa Real Portuguesa. Provas (1ª ed. 1735-1748). Tomo II. Coimbra: 1947.

VITERBO, Francisco Sousa – Dicionário histórico e documental dos arquitectos, Engenheiros e construtores portugueses. (Fac-símile da ed. de 1922). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1988.

 

Estudos

BATORÉO, Manuel – "A iconografia dos Santos Mártires de Lisboa em quatro pinturas do século XVI: linguagem e significados". Cultura, Vol. 27 (2010), pp. 187-199.

CAETANO, Carlos – A Ribeira de Lisboa na Época da Expansão Portuguesa (Séculos XV a XVIII). Lisboa: Pandora, 2004.

CAETANO, Joaquim Oliveira – O que Janus Via. Rumos e cenários da pintura portuguesa (1535-1570). Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 1996. Tese de Mestrado.

CARITA, Hélder – Lisboa Manuelina e a formação de modelos urbanísticos da Época Moderna (1495-1521). Lisboa: Livros Horizonte, 1999.

CARVALHO, José Adriano de Freitas – "Os recebimentos de relíquias em S. Roque (Lisboa 1588) e em Santa Cruz (Coimbra 1595). Relíquias e espiritualidade. E alguma ideologia". Via spiritus, n. 8 (2001), pp. 95-156.

CARVALHO, José Alberto Seabra de – Gregório Lopes. Pintura Portuguesa do século XVI. Lisboa: Edições Inapa, 1999.

Catálogo da Sala de Sua Majestade El-ReiExposição de Arte Sacra Ornamental. Lisboa: Typographia Castro Irmão, 1895.

CID, Pedro de Aboim Inglez – "O Livro de Horas dito de D. Manuel. Algumas precisões". História, Ano XXII, n. 26, (Jun. 2000) pp. 46-55.

FONSECA, Jorge – "Lisboa de D. Manuel no relato de Jan Taccoen". in FONSECA, Jorge (coord.) – Lisboa em 1514: O Relato de Jan Taccoen van Zillebeke. Lisboa: Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa e Edições Húmus, 2014, pp. 91-113.

FRANÇA, José Augusto – Lisboa Pombalina e o Iluminismo. Lisboa: Bertrand, 1987.

GONÇALVES, Iria – "Uma realização urbanística medieval: o calcetamento da Rua Nova de Lisboa". in GONÇALVES, Iria – Um olhar sobre a cidade medieval. Cascais: Patrimonia, 1996, pp. 117-137.

JORDAN GSCHWEND, Annemarie Jordan; LOWE, K.J.P. (eds) – The Global City. On the streets of the Renaissance Lisbon. London: Paul Hoberton, 2015.

MARKL, Dagoberto – Livro de Horas de D. Manuel, Estudo Introdutório. Lisboa: Crédito Predial Português e Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1983.

MATOS, José Sarmentos de; PAULO, Jorge Ferreira – Um sítio na Baixa. A sede do Banco de Portugal. Lisboa: Banco de Portugal, 2013.

MOURA, Vasco Graça – "Damião de Góis e o Livro de Horas dito de D. Manuel". Arte Ibérica, Ano 3, n. 24 (Maio 1999) (Separata Arte Ibérica).

PEREIRA, Paulo – A Fábrica Medieval. Concepção e Construção da Arquitectura Portuguesa (1150-1550). Lisboa: Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, 2011. Tese de Doutoramento, 3 vols.

SENOS, Nuno – O Paço da Ribeira 1501 - 1581. Lisboa: Editorial Notícias, 2002.

SILVA, A. Vieira da – As muralhas da Ribeira de Lisboa (1ª ed. 1900). Lisboa: Câmara Municipal, 1987.

SILVA, Carlos Guardado da – Lisboa Medieval: a organização e estruturação do espaço urbano. Lisboa: Colibri, 2008.

TRINDADE, Luísa – "Desenho: discurso e instrumento". in ROSSA, Walter; RIBEIRO, Margarida Calafate (coord.) – Patrimónios de Influência Portuguesa: modos de olhar. Coimbra, Lisboa, Niterói: Imprensa da Universidade de Coimbra, Fundação Calouste Gulbenkian e Editora da Universidade Federal Fluminenese, 2015, pp. 401-452.

TRINDADE, Luísa – A casa corrente em Coimbra. Dos finais da Idade Média aos inícios da Época Moderna. Coimbra: Câmara Municipal, 2002.

– Urbanismo na composição de Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2013.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-07-01
Como Citar
Trindade, L. (2016). Uma outra representação da Rua Nova dos Mercadores, em Lisboa: a tábua do “martírio de S. Sebastião”, de Gregório Lopes. Medievalista, 1(20). https://doi.org/10.4000/medievalista.1180
Secção
Artigos