Os mesteirais e o concelho de Lisboa durante o século XIV: um esboço de síntese (1300-1383)

  • Bruno Marconi da Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro, Grupo de Estudos Medievais Portugueses 22776-050 Rio de Janeiro, Brasil, brunomarconihistoria@gmail.com
Palavras-chave: Mesteirais; Concelho; Lisboa; Transição dinástica; oligarquia

Resumo

Durante o século XIV, o concelho de Lisboa passava por um processo de profunda elitização. Com a intervenção do poder régio, cavaleiros, grandes mercadores, escudeiros, clérigos e homens de letras monopolizavam os cargos concelhios, formando uma verdadeira oligarquia camarária. Convocados por pregões, mesteirais participaram de um número restrito de assembleias gerais do concelho, como forma de legitimação de suas deliberações. O objetivo do presente artigo é apresentar, a partir da documentação chegada até nós, as principais pautas e a forma de convocação desses trabalhadores urbanos, assim como analisar essa presença institucional inserida na experiência social e motivações dos próprios mesteirais durante o século XIV. Consideramos que a marginalização desse grupo social, quando comparada com sua efêmera, porém marcante, inserção política no século XIII, é uma das chaves para a compreensão dos complexos processos de revolta que ocorreram nas décadas de 1370 e 1380 e do ativo protagonismo nos eventos que constituíram a crise dinástica de Avis em 1383-1385.

 

Bibliografia

Fontes manuscritas

AML-AH, Livro I de Sentenças, n. 3

A.N.T.T., Mosteiro de S. Dinis de Odivelas, liv. 19, fl. 6-8.

A.N.T.T., Livro I do Hospital do Conde D. Pedro, n. 34 (cópia).

A.N.T.T., Gav. XIII, maç. 1, n. 25 e Livro 2º dos Direitos Reais, fl. 272v.

 

Fontes impressas

BRANDÃO, Frei Francisco – “ESCRITVRA XVIII”. in Monarchia Lusitana. Quinta Parte. Lisboa: Officina de Paulo Craeesbeck, 1650, fls. 314v-315v.

DOCUMENTOS PARA A HISTÓRIA DA CIDADE DE LISBOA. Livro I de Místicos de ReisLivro II dos Reis D. Dinis, D. Afonso IV, D. Pedro I. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1947.

DOCUMENTOS PARA A HISTÓRIA DA CIDADE DE LISBOA. Livro de Místicos do Rei D. Fernando. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1948.

LOPES, Fernão – Crónica de D. Fernando. Biblioteca de Clássicos Portuguezes. Lisboa: Escriptorio, 1895.

 

Estudos

CAETANO, Marcello – “Prefácio”. in LANGHANS, Franz-Paul – A antiga Organização dos Mesteres da Cidade de Lisboa. Lisboa, 1942, pp. XI–LXXV.

– A administração municipal de Lisboa durante a 1ª dinastia. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1981.

– A Crise Nacional de 1383-1385Subsídios para o seu estudo. Lisboa: Verbo, s.d.

CASTRO, Armando – A Evolução Económica de Portugal dos séculos XII ao XV. Lisboa: Portugália, 1966.

COELHO, António Borges – A Revolução de 1383. Lisboa: Seara Nova, 1977.

COELHO, Maria Helena da Cruz – “As confrarias medievais portuguesas: espaços de solidariedades na vida e na morte”. in Atas da XIX Semana de Estudios Medievales. Confradías, gremios, solidaridades en la Europa Medieval. Estella: Gobierno de Navarra, Departamento de Educación y Cultura, 1992, pp. 149-183.

– “O Estado e as Sociedades Urbanas”. in COELHO, Maria Helena da CRUZ; HOMEM, Armando Luís de Carvalho; ALMEIDA, Armando Justino – A Génese do Estado Moderno em Portugal. Ciclo temático de conferências organizado pela Universidade Autónoma de Lisboa no ano lectivo de 1996/1997. Lisboa: Universidade Autónoma Editora, 1997, pp. 269-292.

– “O povo – a identidade e a diferença no trabalho”. in MARQUES, A. H. de Oliveira; SERRÃO, Joel (dir.) e COELHO, Maria Helena da Cruz; HOMEM, Armando Luís de Carvalho (coord.) – Nova História de Portugal. Vol. III. Portugal em Definição de Fronteiras. Lisboa: Presença, 1998, pp. 252-308.

– “No palco e nos bastidores do Poder Local”. in FONSECA, Fernando Taveira da (dir.) – O poder local em tempo de Globalização. Uma história e um futuro. Coimbra: Centro de Estudos e Formação Autárquica, 2005, pp. 49-74.

– “Municipal Power”. in MATTOSO, José (dir.) – Historiography of Medieval Portugal (1950-2010). Lisboa: Instituto de Estudos Medievais, 2011, pp. 209-230.

COELHO, Maria Helena da Cruz; MAGALHÃES, Joaquim Romero – O poder concelhio. Das origens às cortes constituintes. Coimbra: Centro de Estudos e Formação Autárquica, 1986.

CORTESÃO, Jaime – Os factores democráticos na formação de Portugal. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

COSTA, Adelaide Pereira Milàn da – “Traços da Interacção Conflitual na Sociedade Portuense de Quatrocentos”. in Actas das Jornadas Inter e Pluridisciplinares. A Cidade, vol. 1, Lisboa: Universidade Aberta, 1993, pp. 155-164.

– “A cultura política em ação. Diálogos institucionais entre a Coroa e os centros urbanos em Portugal no século XIV”. in En la España Medieval vol. 36 (2013), pp. 9-29.

COSTA, Bruno Marconi da – A burguesia concelhia da Lisboa de D. Dinis – um estudo comparativo das suas relações com o poder monárquico (1279-1325). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013. Dissertação de Mestrado. Disponível em
www.academia.edu/3997194/A_burguesia_concelhia_da_Lisboa_de_D._Dinis_ _um_estudo_comparativo_de_suas_relações_com_o_poder _monárquico_1279-1325_

– “A experiência social dos mesteirais medievais portugueses – uma abordagem thompsoniana”. Roda da Fortuna. Revista Eletrônica sobre Antiguidade e Medievo vol. 3, 1 (2014), pp. 221-241.

CUNHAL, Álvaro – As Lutas de Classes em Portugal nos Fins da Idade Média. Lisboa: Estampa, 1980.

FARELO, Mário Sérgio – A Oligarquia Camarária de Lisboa (1325-1433). Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008. Tese de Doutoramento.

FERRO, Maria José Pimenta – “A Revolta dos Mesteirais de 1383”. in Actas das III Jornadas Arqueológicas. Lisboa: Associação dos Arqueólogos Portugueses, 1978, pp. 359-363.

– Pobreza e morte em Portugal na Idade Média. Lisboa: Presença. 1989.

– “Ricos y Pobres en un Siglo de Crisis”. Edad Media – Revista de Historia 4 (2001), pp. 23-36.

GONÇALVES, Iria – “Na Ribeira de Lisboa, em finais da Idade Média”. in Um Olhar sobre a Cidade Medieval. Cascais: Patrimonia, 1996, pp. 61-75.

HAEMERS, Jelle – “Ad petitionem burgensium. Petitions and peaceful resistane of craftsmen in Flanders and Mechelen (13th-16th centuries)”. in TELECHEA, J.; BOLUMBURU, B; HAEMERS, J. (ed) – Los grupos populares en la ciudad medieval europea. La Rioja: Instituto de Estudios Riojanos, 2014, pp. 371-394.

HAEMERS, Jelle; LIDDY, Christian D. – “Popular politics in the late medieval town: York and Bruges”. English Historical Review 128 (2012), pp. 771-805 [Em linha]. Disponível em http://ehr.oxfordjournals.org/content/128/533/771.full

HESPANHA, António Manuel – Panorama Histórico da Cultura Jurídica Europeia. Sintra: Europa-América, 1997.

LANGHANS, Franz-Paul de Almeida – “As Antigas Corporações dos ofícios mecânicos e a Câmara de Lisboa”. in Separata de Revista Municipal (Lisboa) 7, 8 e 9. Lisboa: Câmara Municipal, 1942, pp. 3-31.

– As Corporações dos Ofícios Mecânicos. Subsídios para a sua História. Vol. I, Lisboa, 1943.

– A Casa dos Vinte e Quatro de Lisboa. Subsídios para a sua História. Lisboa, 1948.

MARQUES, A. H. de Oliveira – A sociedade medieval portuguesa. Lisboa: Sá da Costa, 1976.

– Portugal na Crise dos séculos XIV e XV. Lisboa: Presença, 1987.

– Novos Ensaios de História Medieval Portuguesa. Lisboa: Presença, 1988.

MARQUES, A. H. OLIVEIRA; SERRÃO, Joel (dir.) e COELHO, Maria Helena da Cruz; HOMEM, Armando Luís de Carvalho (coord.) – Nova História de Portugal. Vol. III. Portugal em Definição de Fronteiras. Lisboa: Presença, 1998.

MARTINS, Miguel Gomes – “O Concelho de Lisboa durante a Idade Média. Homens e Organização Municipal (1179-1383). in Cadernos do Arquivo Municipal de Lisboa. Lisboa: Câmara Municipal. Série I, 7 (2004), pp. 64-110.

MATTOSO, José – “Contrastes entre Cidade e o Campo”; “Luta de classes?”. in SARAIVA, José Hermano (dir) – História de Portugal. Lisboa: Alfa, 1983, pp. 159-199.

– (org) História de Portugal. A Monarquia Feudal. Lisboa: Estampa, 1997.

– “Revoltas e Revoluções na Idade Média Portuguesa”. in Naquele tempo. Ensaios de história medieval. Lisboa: Círculo de Leitores, 2009, pp. 409-425.

MELO, Arnaldo Rui Azevedo de Sousa – Trabalho e Produção em Portugal na Idade Média: O Porto, c. 1320 – c. 1415. Braga: Universidade do Minho, 2009. Tese de Doutoramento.

– “Os mesteirais no governo urbano do Porto nos séculos XIV e XV”. in SOLORZANO TELECHEA, J. A.; BOLUMBURU, B. A. (coord.) – La Gobernanza de la ciudad europea en la Edad Media, Logroño: Centro de Estudios Riojanos, 2011, pp. 323-347.

– “Os mesteirais e o poder concelhio nas cidades medievais portuguesas (séculos XIV e XV)”. Edad Media. Revista de Historia 14 (2013), pp. 149-170.

MONSALVO ANTÓN, José María – “Los artesanos y la política en la Castilla medieval. Hipótesis acerca de la ausencia de las corporaciones de oficio de las instituiciones de gobierno urbano”. in CASTILLO, S.; FERNÁNDEZ, R (coord.) – Historia social y ciencias sociales. Lleida: Milènio, 2001, pp. 291-319.

PRADALIÉ, Gérard – Lisboa: da Reconquista ao fim do século XIII. Lisboa: Palas, 1975.

SÉRGIO, António – Breve interpretação da História de Portugal. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1977.

SERRÃO, Joel – O Carácter Social da Revolução de 1383. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

SILVA, Carlos Guardado da – Lisboa Medieval. A organização e estruturação do espaço urbano. Lisboa: Colibri, 2008.

SILVA, Leonel José Miguel da – “Da época da Revolução de 1383”. História e Sociedade 2-3, 1 de janeiro de 1979, pp. I-III.

SOUSA, Armindo de – “1325-1480”. in MATTOSO, José (org.) – História de Portugal. A Monarquia Feudal. Lisboa: Estampa, 1997, pp. 412-423.

THOMPSON, E. P. – A Miséria da Teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TILLY, Charles – From Mobilization to Revolution. Michigan: CRSO Working Paper, 1977.

VIEGAS, Valentino – Lisboa, A Força da Revolução (1383-1385). Lisboa: Livros Horizonte, 1985.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-01-01
Como Citar
Costa, B. M. da. (2017). Os mesteirais e o concelho de Lisboa durante o século XIV: um esboço de síntese (1300-1383). Medievalista, 1(21). https://doi.org/10.4000/medievalista.1268
Secção
Artigos