“Mulier ne debuerit habere regnum”: a regência na menoridade de D. Afonso V vista pelos juristas

  • Manuel Francisco Ramos Universidade do Porto, Faculdade de Letras, Departamento de Estudos Portugueses e Românicos / Instituto de Filosofia 4150-564, Porto, Portugal mramos@letras.up.pt
Palavras-chave: Regência de D. Afonso V; mulher regente, D. Leonor de Aragão; D. Pedro - duque de Coimbra; Afonso Mangancha e Jean Jouffroy

Resumo

A questão da regência na menoridade de D. Afonso V, em que D. Leonor começou por ser investida no cargo de regente e assumido plenos poderes, mas que posteriormente a sua autoridade foi posta em causa, vindo a perder nas Cortes de Lisboa [1439], em favor de D. Pedro, a tutoria do reino e do rei menor, não é de fácil resolução por não haver uma lei da sucessão na regência. Assim sendo, talvez as pessoas mais autorizadas para se pronunciarem sobre este controverso caso, de entre as muitas que o fizeram, sejam os juristas. Dois deles: Afonso Mangancha e Jean Jouffroy, Deão de Vergy, tomaram posições públicas sobre a questão, o primeiro na altura dos acontecimentos, o segundo a posteriori. Ainda que não se conhecessem, as suas opiniões são concordantes e são favoráveis a D. Pedro: a mulher não deve obter a regência. No entanto, quando se trata de indagar a fortaleza e a justeza dos seus argumentos, ficamos desconfiados do seu discurso por sabermos que, como juristas, estavam a favor da parte que representavam ou defendiam e não tanto a favor da verdade ou da equidade. Ainda assim, vale a pena conhecer os argumentos de que cada lado se mune e averiguar acerca da sua robustez.

 

Bibliografia

Fontes impressas

CORPUS IURIS CIVILIS. Ed. Theod. Mommsen-Paulus Krüger. Vol. I. 18ª ed. Berlim, 1965.

CORPUS IURIS CIVILIS. Ed. Paulus Krüger. Vol. II. 13ª ed. Berlim, 1963.

CORPUS IURIS CIVILIS. Ed. R. Schöll-G. Kroll. Vol. III. 8ª ed. Berlim, 1963.

Friedberg, E. – Corpus Iuris Canonici. Pars prior: Decretum magistri Gratiani. Leipzig, 1879 [reimpr. Graz, 1959].

– Corpus Iuris Canonici. Pars secunda: Decretalium collectiones. Leipzig, 1881 [reimpr. Graz, 1959].

Infante D. Pedro; [colab.] Frei João Verba – Livro da vertuosa benfeytoria. Ed. crítica, introdução e notas de Adelino de Almeida Calado. Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1994.

LAS SIETE partidas del Sabio Rey D. Alonso, extractadas por D. Ignacio Velasco Peres. Madrid, 1843.

LIVRO DOS OFÍCIOS de Marco Tullio Ciceram o qual tornou em linguagem o Infante D. Pedro. Ed. Joseph M. Piel. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis, 1948.

MONUMENTA HENRICINA. Ed. de Dias Dinis. Vol. X. Coimbra, 1969, doc. 49, pp. 71-79.

ORDENAÇÕES AFONSINAS. 4 vols. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

PINA, Rui de – “Cronica do Senhor Rey D. Affonso V”. in Crónicas de Rui de Pina, introdução e revisão de M. Lopes de Almeida. Porto: Lello & Irmãos Editores, 1977, pp. 577-881.

 

Estudos

ALBUQUERQUE, Martim de – “As regências na História do Direito Público e das ideias políticas em Portugal”. in Estudos de cultura portuguesa. Vol. 1. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1984, pp. 11-33.

– “Politica, moral e direito na construção do conceito de estado em Portugal”. in Estudos de cultura portuguesa. Vol 1. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1984, pp. 125-248.

– “O Infante D. Pedro e as Ordenações Afonsinas”. in Estudos de cultura portuguesa. 3 vols. Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1993, pp. 125-248.

– A consciência nacional portuguesa. Verbo, 2016.

– ; ALBUQUERQUE, Ruy de – História do Direito Português. 2 vols. Lisboa: Pedro Ferreira, 1999.

AMARAL, Luís Carlos; BARROCA, Mário Jorge – A condessa-rainha Teresa. Maia: Círculo de Leitores, 2012.

BARROS, Henrique da Gama – História da Administração Pública em Portugal nos séculos XII a XV. Vol. 3. Lisboa: Sá da Costa, 1946.

CAMPOS, Isabel Maria Garcia – Leonor Teles, uma mulher no poder? Vol. I. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2008. Dissertação de Mestrado em História Medieval.
Disponível em: repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1751/1/21996_ulfl062047_tm.pdf

DUARTE, Luís Miguel – D. Duarte. Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2005.

FREITAS, Judite Gonçalves de – “D. Leonor de Aragão: imagens de contestação e de poder”. in TOSCANO, Ana M.; GODSLAND, Chelley – Percepção e representações da Mulher transgressora no mundo Luso-Hispânico. Mulheres Más. Vol. I, Cap. I. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa, 2004, pp. 103-122.
Disponível em: https://www.academia.edu/14253995/

GOMES, Saul A. – D. Afonso V. Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2006.

GONÇALVES, José Júlio – O Infante D. Pedro, as sete partidas e a génese dos Descobrimentos. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1955.

GUTIÉRREZ-ALVIZ, Faustino – Diccionario de derecho romano. Madrid: Editorial Reus, 1995.

HELENO, Manuel – Subsídios para o estudo da regência de D. Pedro, duque de Coimbra. Lisboa. 1933.

MARQUES, Alfredo Pinheiro – Vida e obra do Infante D. Pedro. Lisboa: Gradiva Publicações, 1996.

MERÊA, M. Paulo – Estudos de História de Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2006.

MORENO, Humberto Baquero – A Batalha de Alfarrobeira. Antecedentes e significado histórico. Lourenço Marques, 1973.

PINHO, Sebastião – “O Infante D. Pedro e a “escola” de tradutores da corte de Avis”. Biblos 69 (1993), pp. 129-153.

RAMOS, Manuel – “O impacto de Alfarrobeira nas relações com o ducado da Borgonha”. História. Revista da FLUP, IV Série, vol. 5 (2015), pp. 23-36.

– Orationes de Jean Jouffroy em favor do Infante D. Pedro (1449-1450) – Retórica e Humanismo Cívico. Porto, Faculdade de Letras, 2007.

RODRIGUES, Ana Maria S. A. – As tristes rainhas. Leonor de Aragão e Isabel de Coimbra. Círculo de Leitores, 2012.

SÁ, Artur Moreira de – A “Carta de Bruges” do Infante D. Pedro”. Coimbra, 1952 (Separata de Biblos, vol. XXVIII).

SARAIVA, António José – O crepúsculo da Idade Média em Portugal. Lisboa: Gradiva, 1993.

SILVA, J. Espinosa Gomes da – História do Direito Português. Fontes de Direito. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

ULLMANN, Walter – Historia del pensamiento político en la Edad Media. Barcelona: Editorial Ariel, 1983.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-01-01
Como Citar
Ramos, M. F. (2018). “Mulier ne debuerit habere regnum”: a regência na menoridade de D. Afonso V vista pelos juristas. Medievalista, 1(23). https://doi.org/10.4000/medievalista.1664