O Desvelamento do Mito Arturiano

  • Edileide Brito Universidade do Estado de São Paulo - UNESP lady_britain@yahoo.co.uk
Palavras-chave: Rei Arthur, Mito, Literatura, Aura, Alegoria.

Resumo

Atentar uma identidade para o Rei Arthur é algo irrelevante e que nos remete adentrar em um universo complexo. A rigor, a literatura usa materiais mitológicos como fonte direta de eventos e personagens históricos, na qual a história é deformada pela imaginação popular, onde traça sobre o mito um perfil, como concretização de uma utopia, o fato da obra literária ser uma utopia concreta mantém viva a esperança e o ideal. A literatura nos afeta através da capacidade de construir pessoas, um mundo cresce diante de seus limites da razão e descrição empírica. Contudo, o mito é dinâmico, se transforma com o tempo ao acompanhar o espírito de uma época, e os elementos que fazem dele uma fonte de auto-conhecimento configura-se em metáfora, retratando a essência do homem. Assim, o mítico Rei Arthur tornou-se atemporal e transcendeu a história. Conseqüentemente, a literatura faz com que o Rei Arthur não seja um rei legado ao passado, mas sim do presente, pois à medida que se resgata o passado de uma obra literária para compreendê-la no presente, inconscientemente ressuscita-se.

 

Referências bibliográficas

BARTHES, Roland. Crítica e verdade. Trad. Leyla Perrone-Moisés, 3 ed. Perspectiva: São Paulo, 2003.

_______________.Mitologias. Trad. Rita Buongermino; Pedro de Souza; Rejane Janowitzer. 2 ed. DIFEL: Rio de Janeiro, 2006.

BAYARD, Jean Pierre. Histórias das lendas. Tradução de Jeanne Marillier. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1957.

BENJAMIN, Walter. Experiências e pobreza. In: ____. Obras escolhidas I: magia e técnica , arte e política; ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de S. P. Rouanet. Brasiliense: São Paulo, 1985, p. 114-119.

_____________. Origem do drama barroco alemão. Trad., apres. e not. de Sérgio Paulo Rouanet. Brasiliense: São Paulo, 1984.

COSTA, Lígia Militz da. A poética de Aristóteles: Mímese e Verossimilhança. Série Princípios, Ática: São Paulo, 1992.

CAMPBELL, Joseph. Mitos, Sonhos e Religião – nas artes, na filosofia e na vida contemporânea. Tradução de Ângela Lobo de Andrade; Bali Lobo de Andrade. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

CARROLL, David F. Arturius: a quest for Camelot. Ivory Printers, 1996.

CASSIRRER, Ernst. Linguagem e mito. Trad. J. Guinsburg, Miriam Schnaiderman. Perspectiva: São Paulo, 2006.

DURANT, Gilbert. A imaginação simbólica. Trad. Eliane Fittipaldi Pereira. Cultrix: São Paulo, 1998.

EAGLETON, Terry. “O que é literatura”. In: Teoria da Literatura. Martins Fontes: São Paulo, 1983.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Trad. Pola Civelli. 6 ed. Perspectiva: São Paulo, 2006.

____________. Imangens e símbolos: ensaios sobre o simbolismo mágico-religioso. Trad. Sonia Cristina Tamer. Martins Fontes: São Paulo, 1991.

ELLIOT. Thomas Stearn. Ensaios. Trad., introd. e not. de Ivan Junqueira. Art Editora: São Paulo, 1989.

KOTHE, Flávio R. A Alegoria. Série Princípios.Ática: São Paulo, 1986

FRYE, Northrop. Anatomia da Crítica. Tradução Péricles Eugênio Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.

GODEL, Robert. Le sources manuscrites du ‘cours de linguistique générale de Ferdinand de Saussure. Genebra/ Paris, Droz/ Minard, 1957). (p. 123).

HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

JUNG, Carl Gustave; KERÉNYI, Karl. Essays of Science of Mythology: The Myth of Divine Child and the Mysteries of Eleusis. Tradução: R.F.C. Hull. Princeton University Press, 1949

KOTHE, Flávio R. A alegoria. Série Princípios. Ática: São Paulo, 1986.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mythologiques. 4.vols. Paris, Plon, 1964.

LOPES, Edward. A identidade e a diferença: raízes históricas das teorias estruturais da narrativa. Editora da Universidade de São Paulo: São Paulo, 1997.

MALORY, Thomas Sir. Le morte D’Arthur. Oxford University Press, 1998.

MELETÍNSKY, Eleazar Mosséievitch. Os Arquétipos Literários. Tradução de Aurora Bernardini; Homero Freitas; Arlete Cavalieri. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

RICOEUR, Paul. História e verdade. Rio de Janeiro. Ed. Forense, 1968.

ROUANET, Sérgio Paulo. Os choques da civilização. Mais!, suplemento: Folha de S. Paulo, 3/out/2004, p. 11-13.

SQUIRE, Charles. The mythology of ancient Britain and Ireland. London, 1909.

____________. Mitos e lendas celtas. Trad. Gilson B. Soares. 3 ed. Editora Nova Era: Rio de Janeiro, 2005.

STAROBINSKI, Jean. Le mots sous le mot: les anagrammes de F. de Saussure. Paris, Gallimard, 1971.

TODOROV, Tzvetan. Théorie de la littérature: textes des formalistes russes. Paris, Seuil, 1965

VICKERY, John B. Literature and Myth. In: Interrelation of literature. New York:MLA,1982, p. 67-89.

 

Textos online:

http:/ www.legendofkingarthur.com

http://www.mystical-www.co.uk/arthuriana2z/h.htm

The Camelot Project, The University of Rochester, 1995, 1996, 1997. Britannia Magazine LLC

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-07-01
Como Citar
Brito, E. (2012). O Desvelamento do Mito Arturiano. Medievalista, 1(12). https://doi.org/10.4000/medievalista.648
Secção
Artigos