O cruzeiro medieval de Tavira

  • Daniel Santana Museu Municipal de Tavira, Câmara Municipal de Tavira 8800-394, Tavira, Portuga, daniel@cm-tavira.pt
  • Marco Sousa Santos Centro de Estudos de Arqueologia, Artes e Ciências do Património da Universidade de Coimbra 3000-395 Coimbra, Portugal, marcosousasantos@hotmail.com
Palavras-chave: Escultura medieval, Cruzeiro, Tavira

Resumo

Durante séculos ignorada ou erroneamente identificada como um capitel ou parte de um antigo pelourinho, tudo indica que a peça de cantaria lavrada, guardada no espólio do Museu Municipal de Tavira (Palácio da Galeria), e até agora apenas identificada com o código MMT2285, é na verdade um elemento de um desaparecido cruzeiro medieval. Provavelmente executada numa oficina da região algarvia no século XV, num dos períodos de maior prosperidade da povoação, esta peça terá originalmente estado colocada num espaço privilegiado do ponto de vista urbanístico, possivelmente numa das entradas da então vila ou, em alternativa, nas proximidades do antigo convento de São Francisco.

 

Referências Bibliográficas

Fontes manuscritas

Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Coleção de cartas, Núcleo Antigo 877, n.º 376.

Faro, Arquivo Distrital de Faro (ADF), Notariais de Tavira, cota 8-5-287.

Tavira, Arquivo Histórico Municipal de Tavira, Livro de Acórdãos da Câmara Municipal de Tavira (1863-1867).

Tavira, Arquivo Histórico Municipal de Tavira (AHMT), Livro de Receita e de Despesa da Câmara Municipal de Tavira (1848-1868).

 

Fontes impressas

AAVV, Academia Nacional de Belas Artes – Pelourinhos – inventário conforme o inquérito determinado pelo decreto n.º 23.122 de 11 de outubro de 1933. Lisboa: 1935.

ANICA, Arnaldo Casimiro – Tavira e o seu Termo. Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 1993.

ANICA, Arnaldo Casimiro – Tavira e o seu Termo – Memorando Histórico. Vol. II. Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 2001.

DENIS, M. Fernando – Portugal Pitoresco. Vol. IV. Lisboa: Tipografia de L.C. da Cunha, 1847.

DUCHET-SUCHAUX, Gaston; PASTOUREAU, Michel – La Biblia y los Santos. Guía Iconográfica. Madrid: Alianza Editorial, 1999. 

FERNANDES, Carla Varela – “Fichas de catálogo”. in Tavira – território e poder (catálogo de exposição). Tavira: Câmara Municipal de Tavira / Museu Municipal (Palácio da Galeria), 2006.

LEITE, Ana Cristina – “Os centros simbólicos”. in PEREIRA, Paulo (dir.) – História da Arte Portuguesa. Vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores, 1995.

LOPES, João Baptista da Silva – Corografia ou Memoria Económica, Estadística e Topográfica do Reino do Algarve. Lisboa: Academia Real das Ciências, 1841.

LOPES, João Baptista da Silva – Memórias para a história eclesiástica do bispado do Algarve. Lisboa: Academia Real das Ciências, 1848.

MONFORTE, Frei Manuel de – Crónica da Província da Piedade. Lisboa: Oficina de Miguel Manescal da Costa, 1751.

RUBIO, Rocío Sánchez; NÚÑEZ, Isabel Testón; RUBIO, Carlos M. Sanchéz – Imágenes de un Imperio Perdido – el Atlas del Marques de Heliche. Badajoz: Editora 4 Gatos, 2004.

TAVARES, Jorge Campos – Dicionário de Santos, 3.ª edição. Lisboa: Lello Editores, 2001.

VASCONCELOS, Damião Augusto de Brito – Notícias históricas de Tavira (1242-1840), 2ª edição (com anotações de Arnaldo Casimiro Anica). Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 1999.

 

Estudos

CHAVES, Luís – “O pelourinho de Tavira”. Correio do Sul 2299 (29 de março de 1962).

FRANCO, Armando da Costa – “Subsídios para o Museu de Tavira”. Jornal do Sotavento (3 de maio de 1996).

 “O Pelourinho”. O Povo Algarvio 55 (9 de junho de 1935).

O Pelourinho de Tavira”. Correio do Sul 1056 (13 de junho de 1937).

VARGAS, José Manuel – “Os dois pelourinhos de Tavira”. Jornal do Sotavento (5 de junho de 2009).

VASCONCELOS, Damião Augusto de Brito – “O Pelourinho de Tavira”. O Povo Algarvio 248 (26 de fevereiro de 1939).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-01-01
Como Citar
Santana, D., & Sousa Santos, M. (2020). O cruzeiro medieval de Tavira. Medievalista, (27). https://doi.org/10.4000/medievalista.2820
Secção
Artigos