Produzindo o bestiário: do texto à imagem

  • Ilya Dines Library of Congress Washington, DC, USA, ilyamdemontibus@gmail.com
Palavras-chave: Physiologus, Bestiários, Desvios, Manuscritos, Imagens

Resumo

Neste artigo, investigo a relação entre o texto e as imagens nos bestiários latinos medievais. Os bestiários medievais, derivados do antigo Physiologus, remontam a uma tradição de quase 1800 anos e geraram várias centenas de cópias em toda a Europa, incluindo um subconjunto menor de bestiários latinos. Resumindo a primeira análise abrangente de todo o corpus de bestiários latinos, este artigo examina os padrões de desvios ou exceções do cânone que rege as ilustrações de bestiários. Eu analiso os desvios para investigar a relação entre o trabalho do escriba e o do artista na produção de manuscritos bestiários, a fim de determinar em que medida os artistas medievais usavam ilustrações já existentes e, inversamente, quando e em que medida estavam dispostos, ou capazes, a desviarem-se do cânone. Neste último caso, procuro explorar as possíveis motivações do artista, bem como as razões para a escolha de motivos específicos.

 

Referências bibliográficas

BRODEUR, Arthur G. – “The Grateful Lion”. Publications of the Modern Language Association of America 39 (1924), pp. 485-524.

BROWN, Arthur C. – “The Knight of the Lion”. Publications of the Modern Language Association of America 20 (1905), pp. 673-706.

CLARK, Willene B. – A Medieval Book of Beasts: The Second-Family Bestiary. Commentary, Art, Text and Translation, Woodbridge: Boydell, 2006.

CURLEY, Michael – Physiologus: A Medieval Book of Nature Lore. Chicago and London: Univ. of Chicago Press, 1979.

DINES, llya – “The Hare and its Alter Ego in the Middle Ages”. Reinardus: Yearbook of the International Reynard Society 17 (2004), pp. 73–84.

DINES, Ilya – “The Problem of the Transitional Family of Bestiaries”. Reinardus: Yearbook of the International Reynard Society (2013), pp. 29-52.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-21
Como Citar
Dines, I. (2020). Produzindo o bestiário: do texto à imagem. Medievalista, (29), 91-116. https://doi.org/10.4000/medievalista.3867