As crónicas de Zurara: a corte, a aristocracia e a ideologia cavaleiresca em Portugal no século XV

  • Miguel Aguiar Universidade do Porto / Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne, CEPESE – Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade / LaMOP – Laboratoire de médiévistique occidentale de Paris 4150-564, Porto, Portugal miguelper.aguiar@gmail.com
Palavras-chave: Zurara; aristocracia; nobreza; cavalaria

Resumo

Neste artigo pretende-se analisar a produção cronística de Gomes Eanes de Zurara, enquadrando a sua forma e estilo, assim como as mensagens transmitidas, em função dos objetivos que terão presidido à sua feitura. Por um lado, as crónicas destinavam-se a ser ‘espelhos de nobres’, propondo um conjunto de referenciais cavaleirescos que deviam orientar o comportamento da aristocracia e que, simultaneamente, definiam a matriz de serviço ao rei e da própria competitividade no seio daquele grupo social. Por outro lado, estes textos podem também ser analisados enquanto peças de ‘propaganda’ favoráveis ao esforço cruzadístico no Norte de África, inscrevendo-se num discurso que visava, nos planos interno e externo, justificar e alimentar o entusiasmo por tal empresa guerreira.

 

Referências bibliográficas

 

Fontes impressas

ÁLVARES, Frei João – Trautado da Vida e Feitos do muito Vertuoso S.or Ifante D. Fernando. Ed. Adelino de Almeida Calado. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1960, vol. I.

DOCUMENTOS DO ARQUIVO HISTÓRICO da Câmara Municipal de Lisboa – Livros de Reis. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1959, vol. 3.

DOM DUARTE – Leal Conselheiro. Ed. Maria Helena Lopes de Castro. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1998.

DOM DUARTE – Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda a Sela que fez El-Rey Dom Eduarte. Ed. Joseph M. Piel. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1986.

DOM DUARTE – Livro dos Conselhos de El-rei D. Duarte (Livro da Cartuxa). Ed. João José Alves Dias e A. H. de Oliveira Marques. Lisboa: Estampa, 1982.

Leonor de Portugal, Imperatriz da Alemanha: diário de viagem do Embaixador Nicolau Lanckman de Valckenstein. Ed. Aires de Nascimento. Lisboa: Cosmos, 1992.

MONUMENTA HENRICINA. Ed. António J. Dias Dinis. Coimbra: Comissão Executiva das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique, 13 vols.

ORDENAÇÕES AFONSINAS. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1998, Livro I.

ZURARA, Gomes Eanes de – Crónica da Tomada de Ceuta por el rei D. João I. Ed. Francisco Maria Esteves Pereira. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 1915.

– Crónica do Conde D. Duarte de Meneses. Ed. Larry King. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa, 1978.

– Crónica dos feitos notáveis que se passaram na conquista de Guiné por mandado do infante D. Henrique. Ed. Torquato de Sousa Soares. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1997, 2 vols.

 

Estudos

AGUIAR, Miguel – Ideologia Cavaleiresca em Portugal no Século XV. Porto: Universidade do Porto, 2016. Dissertação de Mestrado.

BERTOLI, André – O Cronista e o Cruzado: a revivescência do Ideal Cavaleiresco no Outono da Idade Média Portuguesa (Século XV). Curitiba: Universidade de Curitiba, 2009. Dissertação de Mestrado.

– “Modelos de ação bélica na Crônica de D. Duarte de Meneses - Texto, Contexto e Representação”. Mirabilia 15 (2012/2), pp. 171-201.

BUESCU, Ana Isabel – “Um Discurso sobre o Príncipe: a “pedagogia especular” em Portugal no século XVI”. Penélope 17 (1997), pp. 33-50.

BRAGANÇA, José de – “Introdução”. In ZURARA, Gomes Eanes de – Crónica da Guiné. Porto: Livraria Civilização, 1937, vol. I, pp. I-XLV.

CAMPOS, Nuno Silva – D. Pedro de Meneses e a construção da casa de Vila Real (1415-1437). Lisboa: Colibri/CIDEHUS, 2004.

COELHO, Maria Helena da Cruz – “Aristocracia Vilã”. in COELHO, Maria Helena da Cruz e HOMEM, Armando Luís de Carvalho (coord.) – Portugal em Definição de Fronteiras. Lisboa: Presença, 19, pp. 253-260.

CURTO, Diogo Ramada – “A Literatura e o Império: entre o espírito cavaleiresco, as trocas da corte e o humanismo cívico”. in BETHENCOURT, Francisco e CHAUDHURI, Kirti (dir.) – História da Expansão Portuguesa. Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, vol. I, pp. 434-454.

DINIS, A. J. Dias – Vida e Obras de Gomes Eanes de Zurara. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1949, vol. I.

DUARTE, Luís Miguel – “Os melhores da terra (um questionário para o caso português)”. in BARATA, Filipe Themudo (ed.) – Elites e redes clientelares na Idade Média: problemas metodológicos. Lisboa: Colibri e CIDEHUS-EU, 2001, pp. 91-106.

– Ceuta, 1415: Seiscentos anos depois. Lisboa: Livros Horizonte, 2015.

FERNANDES, Adriano – A Crónica do Conde D. Duarte de Meneses de Gomes Eanes de Zurara: estudo histórico-cultural e edição semidiplomática. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2007, 2 vols. Tese de Doutoramento.

FIGUEIREDO, Albano – O ideal de cavalaria na crónica da Tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1996. Dissertação de Mestrado.

– “O narrador e o herói na Crónica da Tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara”. in Figura: Actas do II Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispânica de Literatura Medieval. Faro: Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, 2001, pp. 89-109.

– A Crónica Medieval Portuguesa: génese e evolução de um género (sécs. XIV-XV). A dimensão estética e a expressividade literária. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. Tese de Doutoramento.

– “Viagem, cavalaria e conquista na Crónica de Guiné de Gomes Eanes de Zurara”. in Modelo: Actas do V Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispânica de Literatura Medieval. Porto: Departamento de Estudos Portugueses e de Estudos Românicos – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2005, pp. 25-33.

FONSECA, Luís Adão. “Uma carta do Condestável Dom Pedro sobre a política marroquina de D. Afonso V”. Revista da Faculdade de Letras: História 1ª Série, vol. I (1970), pp. 83-96.

GAUCHER, Elisabeth – La Biographie Chevaleresque: typologie d'un genre (XIII-XV siècle). Paris: Honoré-Champion Éditeur, 1994.

GIBELLO BRAVO, Víctor – La Imagen de la Nobleza Castellana en la Baja Edad Media. Cáceres: Universidad de Extremadura, 1995.

GOMES, Rita Costa – A Corte dos Reis de Portugal. Lisboa: Difel, 1995.

– “Zurara and the Empire: Reconsidering Fifteenth-century Portuguese Historiography”. Storia della storiografia 47 (2005), pp. 56-89.

KAEUPER, Richard W. – Chivalry and Violence in Medieval Europe. Oxford: Oxford University Press, 1999.

KING, Larry – “Introdução”, in ZURARA, Gomes Eanes de – Crónica do Conde D. Duarte de Meneses. Ed. Larry King. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa, 1978, pp. 21-40.

LEITE, Duarte – Acerca da “Cronica dos Feitos de Guinee”. Lisboa: Bertrand, 1941.

MONTEIRO, João Gouveia – “A Cultura Militar da Nobreza na primeira metade de Quatrocentos”. Revista de História das Ideias 19 (1997), pp. 195-229.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo – O Crepúsculo dos Grandes: a Casa e o Património da Aristocracia em Portugal (1750-1832). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2003.

MORSEL, Joseph – L’aristocratie médiévale. Paris: Armand Colin, 2004.

PIMPÃO, Álvaro Júlio da Costa – A “Crónica dos feitos de Guinee”: as minhas “teses” e as “teses” de Duarte Leite. Coimbra: Livraria Gonçalves, 1941.

– Escritos Diversos. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1972.

PONTES, Luís Filipe – Do mundo da corte ao mundo da memória. Subsídios para o estudo da mentalidade cavaleiresca da nobreza portuguesa, 1400-1521. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2008. Dissertação de Mestrado.

RODRÍGUEZ VELASCO, Jesús – El Debate sobre la Caballería en el siglo XV: la Tratadística Caballeresca Castellana en su marco Europeo. Salamanca: Junta de Castilla y León, 1996.

ROSA, Maria de Lurdes – O Morgadio em Portugal: Sécs. XIV-XV. Lisboa: Estampa, 1995

– “Mortos – “tidos por vivos”: o Tribunal Régio e a capacidade sucessória das “Almas em Glória” (Campanhas Norte- Africanas, 1472-c. 1542)”. Anais de História de Além-Mar 6 (2005), pp. 9-46.

– “Velhos, novos e mutáveis sagrados…um olhar antropológico sobre as formas “religiosas” de percepção e interpretação da conquista africana (1415-1521)”. Lusitânia Sacra 18 (2006), pp. 13-85.

RUSSELL, Peter – Henrique, o Navegador. Lisboa: Horizonte, 2004.

SARAIVA, António José – História da Cultura em Portugal. Lisboa: Jornal do Fôro. 1950, 2 vols.

– O Crepúsculo da Idade Média em Portugal. Lisboa: Gradiva, 1998.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo – Cronistas do Século XV posteriores a Fernão Lopes. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesas, 1989.

SOUSA, Bernardo Vasconcelos e – “Linhagem e Identidade Social na Nobreza Medieval Portuguesa (Séculos XIII-XIV) ”. Hispania vol. LXVII, nº 227, pp. 881-898.

TAYLOR, Craig – “English Writings on Chivalry and Warfare during the Hundred Years War”. in CROSS, Peter e TYERMAN, Christopher (dir.) – Soldiers, Nobles and Gentlemen: Essays in Honour of Maurice Keen. Woodbridge: Boydell, 2009, pp. 64-84.

– “Military Courage and Fear in the Late Medieval French Chivalric Imagination”. Cahiers de Recherches Médiévales et Humanistes 24 (2012), pp. 129-147.

– Chivalry and the Ideals of Knighthood in France during the Hundred Years War. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-01-01
Como Citar
Aguiar, M. (2018). As crónicas de Zurara: a corte, a aristocracia e a ideologia cavaleiresca em Portugal no século XV. Medievalista, 1(23). https://doi.org/10.4000/medievalista.1580